© 2015/2019 por Arte 57. 

Todos os direitos reservados.

Av. 9 de Julho, 5144 São Paulo, SP 01406-200

+55 11 3081-9800

  • Instagram ícone social
  • Instagram ícone social
  • Facebook Clean
Geraldo de Barros

H7

Escultura em alumínio e formica

122 x 122 cm

 

 

Aos 26 anos o artista participou da criação do laboratório e do curso de fotografia do Museu de Arte de São Paulo onde realizou, em 1950, a individual “Fotoformas”. Em 1951 frequentou a HfG – Hoschule für Gestaltung - Escola Superior da Forma, Ulm, Alemanha. Foi um dos fundadores dos grupos Ruptura, 1952 e Rex, 1966. Participou da I, II, IX, XV, e XXI edições da Bienal Internacional de São Paulo e da Bienal de Veneza, Itália, 1986. Sua exposição retrospectiva “Sobras e Fotoformas” foi apresentada no Ludwig Museum, Colônia, Alemanha, 1999 e no Musée de l’Elysée, Lausanne, Suíça, 2000. Participou da mostra “Ruptura”, no Museu de Arte Moderna de São Paulo, 1952. Integrou o “Salon de Mai”, Palais de Tokyo, Paris, França, 1956. Participou da “Konkrete Kunst - 50 Jahre Entwicklung”, Zürich, Suíça, 1960. No ano 1990 e 1991 apresentou a individual “Jogos de Dados”, respectivamente no Museu de Arte Moderna de São Paulo e na Galleria Mercato Del Sale, Milão, Itália. Participou da “Bilderwelt Brasilien”, Kunsthaus, Zürich, Suíça, 1992. Em 1996 foi publicado o livro “Fotoformas - Prestel”, com textos críticos de Marcos Augusto Gonçalves, Michel Favre, Daniel Girardin e Reinhold Misselbeck. No ano seguinte ao seu falecimento, o Centro Cultural Banco do Brasil, no Rio de Janeiro, organizou a retrospectiva “Geraldo de Barros: Pioneiro”. Em 1999 a Galeria Brito Cimino realizou uma retrospectiva da obra do artista e nesse ano também foi realizada a mostra “Geraldo de Barros no Acervo do Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro”. Seu trabalho integrou as mostras “Heterotopias: Medio Siglo Sin Lugar -1918-1968” , Museu Nacional Centro de Arte Reina Sofia, Madrid, Espanha, e “Mostra do Redescobrimento - Brasil 500 anos”, São Paulo, SP, com itinerância para a Fundação Calouste Gulbenkian, Lisboa, Portugal, 2000. Em 2001 participou da mostra itinerante “Geometric Abstraction - Latin American Art from the Patricia Phelps de Cisneros Collection”, e “Brazil: Body & Soul”, Guggenheim Museum, Nova York, EUA. A Galerie Guy Barstchi, em Genéva, Suíça, dedicou exposição solo ao artista, assim como a Galeria Brito Cimino, São Paulo, SP, 2005. No ano de 2010 seus trabalhos participaram das exposições solo: “Entre Tantos: Geraldo de Barros”, na Caixa Cultural, São Paulo, SP, e coletivas, na Sicardi Gallery, Houston, Texas, EUA; “Constructive Spirit: Abstract Art in South and North America, 1920s-50s”, Newark Museum, EUA; XIX Bienal Internacional de São Paulo. Em 2011 aconteceu a exposição “Moderna Para Sempre – Fotografia Modernista na Coleção Itaú”, Centro de Arte Contemporânea e Fotografia, São Paulo, SP, e “La Abstracion Geométrica”, Fundação Juan March, Madrid, Espanha. Em 2007, algumas fotografias de sua autoria foram incluídas na exposição coletiva "Fragmentos - Modernismo na fotografia brasileira", Galeria Bergamin, São Paulo, SP, sob curadoria de Iatã Canabrava.